Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Tag: penico

Penico voador

Fonte: http://rleite.wordpress.com/2008/11/

João dos Sonhos Azuis recebeu, em seu trabalho, uma notícia nada agradável: a morte de seu pai a trezentos e cinquenta quilômetros de distância. Precisava viajar com urgência… Isso quer dizer revisão no fusquinha da cor de seus sonhos: documentos, extintor, pneus, freios… Tudo em ordem! E o resto? Bagagem, materiais de higiene pessoal, roupa, calçado… É difícil pensar com discernimento depois de uma notícia dessas, afinal não é todo dia que se perde o pai… Lastimável, mas o jeito era engolir a realidade e juntar todas as forças para dirigir seu besourinho até o litoral… Tudo deveria ser organizado o mais rápido possível para seguir viagem de forma segura, apesar do grande abalo emocional que sofrera…

Enfia, então, sua família dentro de seu possante da cor do céu e pega a estrada… Até certa altura permanecem mergulhados num silêncio sepulcral que é quebrado por um de seus irmãos com a seguinte construção frasal: “Preciso mijá”… O recurso foi parar no posto do primeiro trevo… Depois da urinada, nosso sonhador órfão toma o rumo errado: “Estranho este caminho”… Admira-se João… “Não lembro de ter passado por aqui nas outras vezes”… “Estamos perdidos”, declara apavorada sua irmã…

Ao pedir informação, nosso sonhador de sonhos azuis a bordo de seu “herb-blue” descobre que viajou na direção errada por oitenta quilômetros tendo que retornar até o ponto da mijada fatídica, onde morava a confusão…

Enfim, nosso sonhador de sonhos azuis quase abortados pela morte de um ente querido retoma a direção certa para o funeral de seu progenitor…. Transita por estradas precárias onde até caminhões carregados de tora sofrem para fazer ultrapassagens a mais ou menos cinco quilômetros por hora… Finalmente chegam ao destino. João e seus irmãos conseguem velar em paz o corpo de seu pai…

Depois de uma noite inteira sem dormir, a viagem de volta é uma incógnita entre urinadas e buracadas que sempre aparecem de supetão em virtude das defecadas das autoridades na verba pública, tendo que escolher entre chegar vivo, ou inteiro… Precisando carregar bem a bateria de sua bola de cristal para descobrir, antecipadamente, as curvas e obstáculos, já que até a sinalização fugiu para meio do mato com medo do excremento em forma de buracos que abalam o fusquinha celestino e o bolso do nosso sonhador depois do orçamento para os reparos na suspensão que o deixa “mijando na barba” de raiva…

Nada trará seu pai de volta, porém o descaso com a qualidade das rodovias, obriga o João e milhões de motoristas por este Brasil afora a gastarem quantias desnecessárias em reparos que poderiam ser evitados se o dinheiro do pedágio fosse utilizado para os devidos fins… E para agravar, alguém o distrai por causa de um problema que seria perfeitamente resolvido com um penico… Bem, na estrada, nem mesmo penico resolve a diurese, nem a diarreia moral que somos obrigados a suportar por causa do descaso… Culpa nossa! Por que insistimos em confundir urna com penico?… Afinal, muita gente faz na urna (não a funeral, mas a de votação) o que o irmão do João fez naquele posto e o que as autoridades fazem com nossas estradas… Este ano vamos, de novo tentar escolher qual será o menos pior para continuar voando e se regozijando com nosso dinheiro. É preciso analisar muito bem nosso voto para que não ajudemos a encher as cuecas e as meias dos excelentíssimos novamente…

Márcio Roberto Goes

www.cacador.net

www.portalcacador.com.br

Jornal Informe – O diário Regional

Jornal Fonte – Diocese de Caçador

Deixe um comentário