Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Tag: missão

Missão solidária

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Missao solidaria marista

Muito mais importante do que estar numa comunidade em situação de vulnerabilidade social, é querer estar ali, enquanto poderia estar em qualquer outro lugar, curtindo as férias, se divertindo, ou em família…

Foi isso que aconteceu, no início deste ano, com cerca de cento e trinta pessoas, na maioria jovens em situação financeira confortável, além de irmãos maristas, pastoralistas, lideranças comunitárias e juvenis, ao assumirem os trabalhos da MSM (Missão Solidária Marista)… Desde que conheci a Pastoral da Juventude, uma expressão ecoa em meu cérebro e inquieta meu coração: “Protagonismo Juvenil”… Lá se vão quase trinta anos de trabalho com a juventude e essas palavras continuam movendo a maioria dos sonhos e movimentos deste que vos escreve…

Todas as minhas utopias reviveram ao participar, ainda que modestamente das Missões aqui no loteamento onde moro, que tem por padroeira a querida Santa Terezinha do Menino Jesus, exemplo de uma vida terrena que não foi além da sua juventude de vinte e quatro anos, mas que até hoje, quase cento e vinte anos depois de sua morte, permanece na memória e no coração de católicos do mundo inteiro como jovem intercessora e devota domenino Jesus, professando uma fé inocente e infantil…

Como crianças, vi os missionários descobrindo muitas coisas que não faziam parte do cotidiano da cidade de onde vieram. Um deles, o Leonardo, de Curitiba, me mostra na tela do celular, uma foto do pôr do sol no bairro Martello… Raramente vi imagem tão linda. Ela estava aqui o tempo todo, mas sou adulto demais para perceber tamanho espetáculo cotidiano. O jovem em missão exibia com os olhos brilhando a imagem, deixando claro o quão maravilhoso era para ele, poder presenciar aquela cena.

IMG_20160117_195456129

Outra feita, recebi três jovens missionários para bater um papo em minha meia água própria. Leonardo, Guilherme e Filipe, não exitaram em entrar na residência oficial deste escriba, ficar à vontade, partilhar café, pipoca e bisteks… Ao saírem, já era noite e novamente vejo uma criança no corpo de um jovem olhando admirado e boquiaberto para o céu: Que lindo!… Dizia ele… No centro de Criciúma, não dá para ver as estrelas, pois as luzes das ruas e dos edifícios ofuscam… Filipe é o nome do missionário que proferiu essas palavras e, com ele, fiquei alguns minutos admirando nosso céu… De fato, o progresso e as tecnologias não nos deixam contemplar o universo infinito e maravilhoso com os olhos e o coração de uma criança…

O trabalho de um missionário vai muito além das visitas, obras comunitárias e celebrações… Ser missionário é partilhar… Partilhar seu trabalho, suas ideologias, suas esperanças, temores, alegrias e tristezas, mas acima de tudo, partilhar a vida… Os missionários levam um pouco de nós e deixam um pouco deles conosco…

Hoje, alguns dias depois da partida destes jovens generosos, vejo uma capela restaurada que nos inquieta a restaurar também nosso coração e nossa comunidade. Pois a Igreja só tem sentido se for composta de pessoas, do contrário não passa de uma construção de alvenaria cheia de formas e cores… A verdadeira Igreja não se prende ao templo. Ela está onde estiver o povo. Se o templo não servir para reunir a comunidade e transformá-la evolutivamente na fé, na oração e na partilha, de nada servirá o espaço físico…

Deus se agrada com os louvores, porém se agrada muito mais com as pequenas partilhas despretensiosas do cotidiano que, se juntadas, fazem seu povo se reconhecer enquanto comunidade e assumir, em conjunto, as lutas e os sonhos de um lugar melhor para se viver…

Márcio Roberto Goes

www.radioativacacador.com.br

Deixe um comentário