Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Tag: mala

Meu amigo mala

MEu amigo mala
blogs.abril.com.br/hotwheels/2009/09/dizeres

 

Meu amigo Sidney é destes caras que não conseguem passar por nossas vidas sem ter alguma influência sobre elas…

Quando o conheci, confesso que minha impressão não foi das melhores, porém, com o passar do tempo, meu amigo revelou-se um grande pensador do século vinte e um, quase um filósofo. Participou das olimpíadas da Língua Portuguesa em 2008 e, surpreendentemente, chegou até a fase regional, vencendo o preconceito contra a escola e o bairro onde mora…

Ao contrário do que pensava, recebi, por este fato, muitas críticas, me acusando de ter feito um trabalho diferenciado com ele e outras coisas que colocavam em dúvida minha competência de educador e a capacidade de produção do meu aluno… As críticas eram justificadas aos olhos clínicos dos educadores pré-históricos, já que para a maioria dos professores, meu amigo Sidão não inspirava o mesmo conceito… Mas, como sou “do contra”, sempre acreditei no seu talento para usar as palavras, provando que não existe idade para aprender, ou aprimorar as habilidades, já que, no auge dos seus vinte e sete anos é um dos concluintes do ensino médio neste ano, fato que comprova a tese de que não existe dificuldade maior que a solução…

O cara não é aquele esteriótipo de aluno bonzinho. Às vezes assusta pelos seus argumentos em sala, coloca o professor “contra a parede”, numa troca de ideias que só fazem crescer o lado humano e social da escola. Este meu aluno, com certeza, está sendo protagonista de sua própria história, ao contrário da maioria da juventude que se submete à passividade diante do império dos meios de comunicação que, no geral, mostram uma pseudo-realidade, aceita como verdade absoluta por muitos.

Aprendi e continuo aprendendo muito com o Sidney e com qualquer aluno que tenha a coragem de ser autêntico, mesmo quando o modelo de educação vigente tenta obrigá-lo a encaixar-se numa forma moral na qual devem ser moldados os ditos “alunos perfeitos”…

Já foi chamado de “mala sem alça” e eu concordo plenamente, se analisarmos pela perspectiva daqueles frustrados que não têm a coragem, nem a capacidade de ser engraçados, inteligentes e autênticos ao mesmo tempo… Mas se olharmos sob uma ótica desprovida de preconceitos e tabus que ainda pairam sobre a escola, veremos que ele é uma mala sim, pesadíssima para quem carrega o peso do orgulho de não admitir sua autenticidade… E o Sidão não precisa de alças, é capaz de carregar-se sozinho, pois a autenticidade torna-se leve para quem a assume e pesa toneladas para quem se julga melhor que o autêntico, buscando formas de subestimá-lo e projetar suas frustrações nos seus defeitos refletidos em outrem…

Márcio Roberto Goes

www.cacador.net

www.portalcacador.com.br

Jornal Informe – O diário Regional

Jornal Fonte – Diocese de Caçador

Deixe um comentário