Press "Enter" to skip to content

Tag: jornal

A folha

 

Já fui uma semente, que brotava lentamente em busca do sol… Lá debaixo da terra procurava as profundezas e o infinito, queria criar raízes sólidas, porém subir cada vez mais alto em busca de liberdade… Sonhava… E lá no fundo de meus sonhos, delirava… Queria estar ali, queria sair dali, crescer, buscar novos horizontes, conhecer outras terras, outras raízes, outras sementes, fazer parte de outras realidades… Viver… Interagir…

Fui arbusto que continuava a buscar o chão e o céu concomitantemente, sonhava ter um caule resistente, sustentar galhos e folhas, dar frutos… E dos frutos, novas sementes… E das sementes, novos arbustos sonhadores…

Cheguei a ser árvore, com raízes profundas, acolhi outros seres, igualmente, dando-lhes sombra, porém, um vegetal não pode mover-se por si só, depende da força motris de outros seres, do vento, das chuvas. Não pode partilhar sombra e frutos além dos limites estipulados pela lei da natureza… Mas eu queria mais, não bastava ter raízes, buscar o solo e o céu… Não me agradava saber que a única coisa perceptível a outros seres era a sombra, ignorando todo o tempo, esforço e dedicação necessários para produzir este merecido conforto, que por sua vez, não deixa de ser momentâneo…

Então, na tentativa de buscar o infinito, a tão sonhada liberdade, tornei-me folha, na copa, no ponto mais alto da minha árvore vital… E de lá, pude ver o mundo de uma nova perspectiva, tudo parecia diferente, vi sementes caindo, imaginando que estavam mergulhando no caos da podridão fétida, porém fértil e, em poco tempo, brotando novamente para a vida, buscando o infinito como eu… Vi arbustos curiosos, procurando descobrir o mundo ao seu redor, mas sem se descuidar da luz do sol nem da seiva da vida… Vi árvores anciãs, com raízes tão profundas que, a elas, já não importavam mais o que havia acima, ou nas profundezas…

Minha árvore incomodou-se ao ver uma de suas folhas buscando o infinito, queria exclusividade, não se agradava ao vê-la, tão pequenina, interagindo com o resto do mundo, ninguém mais deveria ter o direito de olhar para aquela folha, a não ser que olhasse primeiro para a árvore grandiosa, magnânima e egoísta… Recusou-se a fornecer a seiva da vida e, involuntariamente desprendi-me…

Ao desprender-me, cheguei ainda mais perto do céu, fui ao chão e ao céu novamente… Percebi que tudo é composto de ciclos, quando acaba um, começa o outro… O fim de um, não significa o fim de tudo, tampouco o começo de outro, não quer dizer o começo de tudo… Trata-se, apenas de uma transição e, através dela, a evolução, às vezes obscura, mas necessária…

Hoje sou apenas uma folha, buscando o infinito, sem esquecer, porém das raízes e dos outros seres que encontrei nesta jornada… Uma entre tantas outras folhas que se desprenderam dos galhos em busca de liberdade… Uma entre tantas rejeitadas, simplesmente por quererem ser mais do que um reles fragmento de vegetal que, embalado pelo vento, bate continência diuturnamente para o mesmo tronco que se acha dono de todas as folhas…

Sou só mais uma folha, livre deixando as palavras fluírem espalhadas pelo vento procurando outros seres a quem possam ser úteis… Vou levando a vida, fazendo minha parte a espera do dia em que o outono da vida me torne uma folha ceca e inerte. absorvida pela terra a fim de alimentar outra semente sonhadora como um dia fui…

Sou apenas uma Folha… da Cidade…

 

 

Márcio Roberto Goes

www.marciogoes.com.br

www.cacador.net

www.portalcacador.com.br

Jornal Folha da cidade – Caçador, SC

1 Comment

Não sou jornalista

Certo dia em que fui a um certo supermercado: destes que têm de tudo, desde xampu até pneu, encontro com um atendente que tenta me vender uma cafeteira… E conseguiu, mas isso não vem ao caso… O que me chamou a atenção foi o papo dele, confundindo minha profissão e minha função por aqui :

“Você ganha bem, é jornalista!”…

1 Comment

Quando lemos um jornal brasileiro

 

 

            Na primeira página: “Estudante é morta pela polícia”… A estudante Rafaele Ramos de Lima, de vinte anos foi morta por policiais militares, ela e o namorado foram confundidos com criminosos ao colidirem com uma viatura. O soldado saiu atirando acertando a estudante com um tiro na cabeça.

 

            Quando viro a segunda página, o texto é o seguinte: “Máfia dos fiscais em SP”… Nem leio, porque isso parece resumo de novela, todo jornal tem.

 

            Na terceira página, o título: “Infância roubada”. No Brasil, estima-se que quatro milhões de crianças, entre cinco e dezesseis anos sejam vítimas do trabalho infantil.

 

            Na quarta página, o texto que mais me chamou a atenção, com o título: “Ninguém por eles”. Cerca de trezentos mil brasileiros vivem marginalizados, excluídos até do senso do IBGE, figuras perdidas em meio à paisagem urbana. De acordo com uma pesquisa, 88,5% dos moradores de rua não são atendidos por programas governamentais, poucos recebem aposentadoria, bolsa-família, ou benefício de prestação contínua. Na maioria das vezes, são pessoas que podem trabalhar, 59% afirmaram ter profissão.

 

            Quando viro a página cinco, algo me assusta com o título assim: “O homem na caverna”… Em um buraco embaixo de um viaduto, é apertado, com cheiro forte, entulho e lixo: este é o cenário… Seu Luiz Eduardo Santos de 39 anos afirma que saiu da casa dos pais e foi morar na rua, dependente químico, não tinha para onde ir, resolveu morar no buraco.

 

            Quando viro a próxima página, um assunto que eu não havia percebido o quanto faz mal par as nossas crianças, com o título: “Dependentes da rede”. Acesso exagerado à Internet é diagnosticado como um distúrbio psiquiátrico, como o alcoolismo. Os brasileiros passam, em média, quase vinte e três horas por mês conectados, a frente da França e dos Estados Unidos e na maioria das vezes, são crianças.

 

            Após ter lido todas estas notícias, percebi que o Brasil necessita de organização e muitos de nós não podemos fechar os olhos para a realidade… Pegar o jornal só para ver o resumo de novelas e o horóscopo.

 

            Ver a realidade do país em que você vive é fundamental. Com a ajuda de todos, um dia poderemos ler um jornal com muitas notícias alegres.

 

            Isso tornará você um verdadeiro brasileiro, pois “brasileiro que é brasileiro não desiste nunca!”

 

 

 

Susan Emmer

31/08/2008

Escola Estadual de Educação Básica Wanda Krieger Gomes

Caçador – SC

3º ano 01 – Matutino

Ensino médio

 

3 Comments