Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Sonhos azuis – CAPÍTULOXX

E eis que aparece, no estacionamento da escola, um fusquinha azul, da cor do céu, da cor das preocupações do diretor, terminando seu trajeto com uma frenagem brusca, típica de quem está com o horário nos calcanhares:

  • Bom-dia, João! Você está atrasado…

  • Desculpe-me, senhor diretor… É que fui levar a Cema até a rodoviária.

  • Para onde ela vai?

  • Está indo para Florianópolis fazer um curso…

  • De ônibus de linha?

  • Sim!

  • Mas o ônibus para a capital passa de madrugada por Caçador…

  • É verdade, lá pelas duas horas… Vem de outra cidade e faz escala aqui… Mas será que não tem outra empresa que ofereça ônibus neste horário?

  • Não sei… Suba, que os alunos estão a sua espera.

Aquelas escadas pareciam não ter fim… João subia contando os passos… Passava um filme em sua mente… “Tem alguma coisa errada”… Pensava ele enquanto contava os degraus… “Ela me disse que ia de ônibus. Será que é mentira?… Se ela não vai de ônibus, por que então tive que a deixar na rodoviária?”… De tão distraído, deixou de responder muitos cumprimentos durante o trajeto até a sala de aula… Sua aluna o encontra na porta com um abraço filial, o mesmo abraço que tentou trocar com ele no ponto de ônibus meses atrás:

  • Bom-dia professor!

  • Bom-dia!

  • O que aconteceu?… O senhor parece diferente hoje…

  • Nada! Somente alguns problemas…

E levando seu professor até um canto reservado, ela que era uma de suas alunas mais queridas, declara:

  • Se precisar de alguém para conversar eu me disponho, afinal tantas vezes o senhor ouviu meus problemas e nunca me julgou por isso… Pelo contrário, seus conselhos foram e continuam sendo muito úteis na minha vida… Quero que saiba que o admiro muito e não gosto de ver meu mestre triste!…

  • Obrigado, querida! É bom saber que você me admira… Isso me dá mais forças para continuar minha missão de levar educação e cidadania a todos os alunos desta escola que já é tão discriminada por ser de periferia…

  • Se precisar, é só chamar…

De fato, João sempre teve um ótimo relacionamento com seus alunos de ensino médio: uma relação muito mais de amigo que de professor e aluno… Por vezes, parou a aula para ouvir seus alunos; É a menina apaixonada que não sabe o que fazer para chamar a atenção de seu amado… É o rapaz que brigou com a namorada e não tem coragem de pedir desculpas… Problemas familiares… Dúvidas sobre relacionamentos… Angústias, inquietações, conflitos amorosos e de gerações: Tudo isso era contado ao professor, com a confiança de um filho entregando seus problemas a seu pai. Isso aproximava o mestre do discípulo, tornando-os quase iguais, com pensamentos e metas semelhantes…

Mas, naquele dia, quem precisava de um ombro amigo era o pobre do João dos Sonhos Azuis… Porém, não teve coragem de pedir ajuda, guardou para si, no mais íntimo silêncio de seu coração machucado e arrasado pelas intempéries da vida, todas as dúvidas que assolavam a sua alma naquele momento… Tinha medo de contar para alguém e ser ridicularizado, ou que o segredo não permanecesse por muito tempo…

Ao meio dia, a primeira coisa que fez ao chegar em casa foi ligar para as empresas de transporte a fim de saber os horários de ônibus para a capital… A triste constatação o deixou ainda mais angustiado e seu coração ainda mais apertado: não havia nenhum ônibus que saísse para Floripa às oito da manhã…

Desesperado, ligou para seu melhor amigo, que veio imediatamente ao seu encontro:

  • O que houve, João?

  • Não sei, Teófilo… Alguma coisa está estranha nesta viagem… A Iracema não falou uma palavra de ontem para hoje que revelasse suas expectativas para o tal curso… Levei-a até a rodoviária as sete e meia, mas não tem nenhum ônibus de linha que saia nesse horário para a capital… Sem falar que esta viagem de estudos foi programada de um dia para o outro…

  • Será que ela não foi com um ônibus fretado?

  • Por que um ônibus fretado sairia da rodoviária?

  • Sei lá, talvez veio de outra cidade com outros cursistas…

  • Acho que ela tá me traindo…

  • Será?… Ela não seria capaz de fazer uma coisa dessas!

  • Não sei! Ela anda muito estranha ultimamente… Saindo fora de hora, não faz questão da minha companhia, vive fazendo hora extra não sei por quê… De repente, uma amiga liga e ela tem que sair às pressas…

  • Pode ser paranoia tua, meu amigo… Eu não acredito que…

  • Desculpe te incomodar. Mas eu precisava desabafar. Não sei mais o que fazer.

  • Magina!… Mas você tem alguma suspeita de quem é o amante dela?

  • Não sei… Ando percebendo um comportamento estranho do patrão dela.

  • Ele foi viajar também?…

  • Acho que não!

  • Porque não comprova isso?

  • Como?

  • Liga para a revendedora e pergunta por ele.

  • Acho que ele não foi, pois além de Cema, só tem ele para cuidar da loja…

Novamente, nosso sonhador aquietou suas angústias… Teve medo de ligar e ter uma má notícia. Preferia ficar na dúvida a ter certeza da traição…

www.marciogoes.com.br

Seja o/a primeiro/a a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *