Press "Enter" to skip to content

Sonhos Azuis – CAPÍTULO XIX

Numa segunda-feira de meados do mês de outubro, Adam como sempre, entra na revendedora ainda cedo cheio de galanteios para o lado de Iracema:

Como passou a noite, meu amor?

Por favor! Precisamos maneirar… Estamos dando muito na vista. Meu marido está desconfiando…

Aquele professorzinho tolo… Desconfiado?… Não acredito! Ele é mais burro do que uma porta!

Olha como fala do meu marido!

Desculpe, queridinha! Não quero ser responsável por um rompimento entre os dois pombinhos que se amam…

Tudo bem! Precisamos ter mais cuidado… Só isso!

Isso quer dizer o quê?

Que não podemos mais fazer hora extra… Que não podemos mais, de repente fechar as portas e as cortinas do estabelecimento para fazer amor… Que não consigo mais arranjar desculpas para nos encontrarmos no final de semana… Chegará um dia que esta situação ficará insuportável…

Como faço para te ver, então?

De vez em quando, podemos deixar teu irmão cuidando da loja para sairmos. O que acha?…

Meu irmão não trabalharia comigo… Mas de vez em quando é possível…

No início da tarde, o empresário safado e corrupto, chega a Iracema com uma ideia ousada:

Já sei!… Vamos viajar…

Você pirou de vez… E o João não vai desconfiar?… Ele é burro, mas nem tanto!…

Claro que não! Para todos os efeitos, você viajará sozinha até a capital para um curso de vendas oferecido pela empresa.

Não cola! Ele sabe que esta é uma microempresa e não tem como bancar cursos fora da cidade para seus funcionários…

Vá para casa arrumar suas coisas que no fim da tarde vamos viajar…

Quem cuida da loja?…

Meu irmão!…

E se meu marido aparecer por aqui?…

Meu irmão dirá que eu dei uma saída…

E se ele quiser esperar?…

Meu maninho querido dirá que eu vou demorar…

Não sei não!

Por favor!… é nossa única chance de ficarmos juntos por uns dias, sem preocupação com outros problemas.

Não pode ser semana que vem?

Então, amanhã… Bem cedo!

Tudo bem! Espero não me arrepender disso…

Não se arrependerá!…
João foi buscá-la no trabalho naquele dia. Sentia o coração apertado… Parece que previa cada minuto de seu sofrimento futuro… Não sabia explicar, mas estava sentindo uma agonia que corroía seu peito… Estacionou seu Celestino em frente a revendedora e entrou… Percebeu algo estranho no Adam e na Iracema, mas manifestou com o silêncio de sempre. Ainda na porta, ouviu Adam:

Boa tarde, João. Preciso que você libere Iracema para fazer uma viagem até a capital para fazer um curso de vendas.

Para quando?

Ela vai amanhã e volta em uma semana…

Uma semana?…

Sim!

Por que não avisaram antes?

Recebemos o email agora… É importante mandarmos um representante para que nossa empresa ganhe prestígio e melhores negócios com as concessionárias… Além de render um aumento de salário para sua esposa…

Bem… Se é para o bem dela e se ela quiser.. Quem sou eu para contrariar?… Às vezes eu também faço cursos fora da cidade e ela não reclama…
Passaram parte da noite arrumando as bagagens da índia linda e safada… O coração de nosso sonhador permanecia angustiado, porém o silêncio continuava sendo sua maior reação… Estava sonhando… Não queria acordar… Estava vivendo… Não queria desfalecer novamente na solidão, ainda que isso lhe custasse aquela humilhação que todas as evidências apontavam, porém seu coração permanecia imperceptível, ou tentando ser indiferente…

O restante da noite foi extremamente longa… Sua mente alimentava pensamentos nada agradáveis… Por que esta viagem agora?… Porque justamente a sua querida esposa?… Porque não vai o próprio Adam que é o dono do capital?… O que seria de sua mulher longe dele?… O que seria dele longe dela?… Algumas vezes ele precisou viajar para estudar, mas agora era diferente: Ele fica e ela vai… Nunca havia passado por esta situação… Por um instante, arrependeu-se de tê-la liberado, mas agora já havia dado sua palavra… Além do mais, seu profundo senso de justiça percebia naquela situação a oportunidade de provar que em seu casamento ambos têm direitos e deveres iguais, sem machismos ou feminismos…

Naquela noite, João dos sonhos azuis teve de tudo, menos sonhos…

 

 

 

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *