Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

RECITAL PELA EDUCAÇÃO


23/08/2007

CAÇADOR ONLINE
25/08/2007
JORNAL INFORME

Primeiro de março de 1981… Um menino chorão e dentuço prepara-se para seu primeiro dia de aula na primeira série “C” da Escola Básica Salgado Filho.

O tempo passou, nem a escola, nem o menino são os mesmos… Ela agora é Escola de Educação Básica Dom Orlando Dotti, ele: professor e escritor: Ambos encontram-se novamente no curso de pós-graduação que funciona nas dependências da escola.
Pois é num desses sábados de aula que ela (a escola) realiza um maravilhoso e edificante “Recital de poesia”… O menino professor está lá, como espectador… boquiaberto, admirado, estático, sem palavras para descrever tamanha admiração ao ver alunos de uma escola pública recitando, corajosamente, grandes autores clássicos e poesias de autoria própria, o que torna o evento ainda mais fascinante. Claro que na retaguarda estão eles: os professores, que fazem a diferença na na ousadia de seus alunos… que não ficaram trancados na sala de professores durante o recreio, queixando-se desta ou daquela turma, deste ou daquele aluno, enquanto degustavam as bolachinhas pedagógicas.
São fatos como este, que reavivam a cada dia, minha utopia de uma educação como caminho para a cidadania e a construção de seres humanos melhores. Quando o corpo docente trabalha junto, cada um contribuindo com seu grão de areia, com certeza, a construção da escola dos sonhos de pais, alunos e professores, chega cada vez mais próxima da realidade.
Sabe-se das inúmeras dificuldades enfrentadas pelas escolas públicas que só são lembradas pelas autoridades quando servem de bandeira para campanha eleitoral… Sabe-se também que a luta por melhorias na educação não pode, nem deve parar… Mas paralelo à luta, é possível disponibilizar aos educandos o gosto pela filosofia e a literatura, dando-lhes a chance de análise crítica da realidade, a partir da união dos vários segmentos da escola.
O que presenciamos no Dotti, no último sábado, foi um exemplo disso: Alunos que se submeteram a deixar seus lares, num sábado de manhã para participarem, como artistas ou espectadores de um recital de poesia: que é Literatura… que trata da arte de usar as palavras… que desenvolve o raciocínio… que abre os olhos e o coração para o mundo e os sentimentos humanos.
Por trás de cada poesia recitada naquele auditório, outrora um pavilhão para jogar bola em dias de chuva, estava uma vida que vencia mais um obstáculo… e por trás de cada obstáculo, uma história, em cada história um exemplo.
Em tempos de altas tecnologias, com o mundo globalizado que aproxima as distâncias e distancia as proximidades, é raro presenciar um evento desses por parte de um educandário… Qual é a receita?… Só um pouquinho de amor pela educação, afinal o ser humano faz melhor aquilo que faz deixando-se guiar pelo coração. Na ausência deste sentimento sublime que nos aproxima ainda mais dos alunos, continuaremos ouvindo queixas e mais queixas, “engolidas” com as tradicionais bolachinhas pedagógicas e café preto servido em micro-xícaras.
De coração, quero externar meu amor e admiração por esta escola que foi a primeira em minha vida e hoje torna-se marcante novamente, ajudando-me a subir mais um degrau na escada do conhecimento, e demonstrando que podemos “fazer a nossa história” na educação pública, com ousadia, indo além das bolachinhas com café naquele sofá marrom e deprimente no canto mais escuro da sala dos professores.
Aquele menino que há mais de duas décadas atrás chorava para entrar na sala-de aula, hoje chora de emoção ao ver que não foi só ele que cresceu: a escola também.
Márcio Roberto Goes
Cria da escola pública, com muito orgulho…

3 Comments

  1. Iza
    Iza 15 de agosto de 2008

    Mário!

    Você merece ser parabenizado aplaudido porque não nega onde começou. Reconhece e valoriza a escola que por onde passou, isso faz com que o mérito maior seja ainda mais seu.

    Abraços

  2. karen rayany
    karen rayany 7 de agosto de 2008

    o dotti é minha vida…
    não consigo deixar de pensar que minha caminhada esta chegando ao fim… que em um ano e meio o dotti fara parte do meu passado.
    o dotti me fez crescer, sorrir e chorar…
    amei mt nesse colégio..
    aprendi mt…
    adimiro demais varios professores que dão aula nesse colégio…
    DOTTI???
    MINHA VIDA….

  3. Alisson
    Alisson 12 de setembro de 2007

    um filme passa em nossas mentes quando retornamos em um lugar que no “fez”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *