Press "Enter" to skip to content

PÁSCOA UTÓPICA


11/04/2007
CAÇADOR ONLINE
14/04/2007
JORNAL INFORME

A palavra “Páscoa” significa passagem: A festa da Páscoa era celebrada, inicialmente pelo povo de Deus em comemoração à sua liberdade conquistada com muito esforço e encabeçada pelos profetas, especialmente Moisés que foi o grande protagonista da travessia do Mar Vermelho. E Jesus Cristo, escolheu, justamente a Páscoa para realizar o maior milagre da presença de Deus na Terra: A ressurreição depois de três dias de sua morte brutal e desumana, culminando a História da Salvação, conhecida por todo cristão que se prese.

Mas a luta não parou por aí. Os cristãos, por muitos anos foram perseguidos e massacrados em nome de sua doutrina, por outro lado, a Igreja também perseguiu outras manifestações religiosas e ideológicas na época das cruzadas e da inquisição, quando muitas pessoas foram torturadas, humilhadas e mortas em nome de Jesus: Uma brutalidade que só o Papa João Paulo II, depois de quase dois milênios teve coragem de pedir perdão publicamente.
Muitos anos se passaram desde que o fundador do cristianismo esteve na Terra e até hoje celebramos sua passagem da morte para a vida na Festa da Páscoa, que julgo ser motivo de alegria maior que o Natal, pois nascer é próprio de qualquer mortal… o milagre grandioso é reviver depois de três dias morto e sepultado.
Mais de dois mil anos se passaram e os cristãos continuam lutando por justiça, haja visto os vários movimentos da Igreja, nas diversas pastorais e especialmente na Teologia da Libertação, condenada por tantos e amada por outros tantos, mas que faz a sua parte na realização de uma utopia onde as diferenças sociais e religiosas sejam extintas (falo da Igreja Católica Apostólica Romana por conhecê-la melhor, porém sei que existem muitos outros movimentos libertadores em outras denominações religiosas que trabalham pela realização do projeto de Jesus Cristo).


Apesar de quase dois milênios nos separarem do início do cristianismo, ainda há muito o que fazer para que a humanidade conheça o verdadeiro sentido da Páscoa. É neste aspecto que entra a contribuição indispensável da juventude, que carrega consigo a incrível capacidade de sonhar e lutar por seus ideais, que têm uma contribuição do próprio Jesus quando se trata de vida nova… O sonho que o apóstolo Paulo escreve aos Filipenses, de ver o “cordeiro e o lobo pastando juntos” não pode morrer. Um novo mundo é possível e está nas mãos dos meus amados e queridos jovens, que também são amados e queridos por Jesus (principalmente).
Porém, hoje não vemos mais a garra juvenil com tanto afinco como antigamente: parece que o tempo, os avanços tecnológicos e os fatos esfriaram a juventude que não pinta mais a cara em protesto, não sai mais às ruas em busca de melhorias na educação, não se organiza mais pelo mesmo ideal, não sonha mais com um mundo mais justo e igualitário… Onde estão a UME (união municipal dos estudantes) e a UNE (união nacional dos estudantes)?… O que aconteceu com os grêmios estudantis que nas décadas de oitenta e noventa, em alguns casos tinha que se reunir na calçada, pois a escola não podia ser aberta para suas reuniões?… Será que já sepultaram aqueles movimentos católicos e estudantis dos quais participei na minha época de estudante de ensino fundamental e médio?
Não podemos nos render à tirania do capitalismo, cuja maior alegria é ver o povo acomodado e conformado. Portanto, minha utopia é ver essa Páscoa trasformando o coração, especialmente dos jovens, dando-lhes uma nova injeção de ânimo para lutar pelos seus ideais, buscando sonhos e lutas novas por utopias antigas, mas que não deixam de ser sonhos realizáveis quando se luta junto.
Márcio Roberto Goes
Duas vezes jovem

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *