Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Minha primeira crônica

 Nesta semana de volta às aulas, gostaria de fazer meu “momento nostalgia” e compartilhar com os leitores minha primeira crônica, escrita em 2001, na terceira fase do curso de Letras… Foi entregue cinco minutos antes do último prazo ao professor Nilton Preveda, na disciplina de Teoria da literatura… De lá pra cá, muita coisa mudou, inclusive a ortografia, mas vale a pena conferir. Eis o texto na íntegra:

 

Regime para pessoas especiais

 Vinte de abril de 2001, dezenove horas… UnC, campus de Caçador… aula de Teoria da Literatura para acadêmicos de Letras terceira fase… Tudo ia bem, até que surge pela porta, uma criatura de outro mundo, até então desconhecida, se dizendo presidente do diretório acadêmico (O que é isso, meu Deus???), nos trazendo a notícia de que a democracia pairava sobre os corredores límpidos e arejados da Universidade do Contestado, e que pousava em nossa turma, clamando para que escolhêssemos um cidadão para nos representar no novo diretório acadêmico (Aliás, parece que novo, só o Geraldo, eleito por nós e escolhido por eles…) que é composto pelos mesmos cidadãos, apenas ocupando cargos diferentes… Até imagino, que didática teria sido usada para escolher a nova chapa… Ciranda cirandinha, ou escravos de Jó?… Pensando bem, são ótimas técnicas para rodízio de cargos (de confiança)…

 Depois do pleno exercício da democracia, nosso presidente do diretório acadêmico despede-se e tudo volta ao normal… por pouco tempo… Logo chega o JP nos trazendo a brilhante notícia de que, num momento de distração, esqueceram-se de nos fornecer uma disciplina. Poderíamos fazê-la depois se não se tratasse de “Introdução a Literatura”. Agora teremos que recuperar o tempo perdido, depois de termos estudado Literatura Portuguesa, Brasileira e Teoria da Literatura… Por outro lado, é interessante introduzir depois de estar dentro: Assim já sabemos o que e onde estamos introduzindo…

 Sabemos que os responsáveis pela grade são pessoas extremamente ocupadas e uma eventual distração é tolerável, ainda mais com um detalhe tão insignificante, que simplesmente nos dará a alegria indescritível de voltarmos mais cedo aos bancos acadêmicos em 2002 e acrescentará alguns míseros reais na mensalidade…

 Aconteceu o que eu temia desde o início do curso: a terrível, assustadora, árdua, maçante, aterrorizante… SEMANADA!!!

 Contudo, fiquei muito triste, quando na semana seguinte, o JP volta à nossa sala para nos dizer que foi tudo um equívoco e que a grade continuaria normal, sem tirar, nem introduzir nada… O que farei agora que cancelei minha viagem para Miami afim de esquecer minhas dívidas com a universidade?…

 Tudo isso é aceitável, já que somos a nata da UnC, poliglotas e especiais… Pessoas especiais para um regime especial.yo-43

 

Márcio Roberto Goes

Seja o/a primeiro/a a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *