Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Lava-rápido

Lavação rápida 

 

Quando aquele palitinho de dente começa a inclinar-se para a esquerda no painel, rumo à região vermelha é hora de abastecer novamente… Encontrado o posto, é só dizer ao frentista o que deseja e deixar que ele faça sua parte…

– Gasolina, ou álcool?

– Gasolina.

– Comum, ou aditivada?

– Comum…

Enquanto completa o tanque, o funcionário do posto, certamente orientado por seus superiores que visam sempre o maior lucro possível, faz outra série de perguntas, um verdadeiro interrogatório que, por vezes, chega a ser entediante…

– Água e óleo?

– Tá tudo certo…

– Extintor?

– Em dia…

– Parabrisa?

– Inteiro…

– Quer que jogue uma água no parabrisas?

– Não! Prefiro um vale-ducha…

– Quer pôr um aditivo na gasolina? De vez em quando é bom…

Depois de concordar com a ideia, percebo o quanto fui relapso. Afinal, qual a razão de usar gasolina comum e depois adicionar um aditivo?… Não seria melhor e mais barato abastecer com aditivada duma vez?… Vitória do capitalismo!… É, depois de posto, não tem como tirar o aditivo do tanque, a não ser queimando junto com o combustível….

Pois bem! Resolvi gastar o vale-ducha no mesmo dia… Fila de doze carros precisando de água. Esperei pacientemente a chegada da minha vez e, tomado pela preguiça, permaneci dentro do veículo durante a lavagem… Um esfregava daqui chacoalhando todo o meu veículo oficial, outro jogava água dali com uma pressão que dava medo… Descobri que entra água entre os vidros… Descobri também que a limpeza exterior é muito importante, porém, meu “fiestinha branquelo” permanecia sujo por dentro. Tapetes embarrados, poeira no painel, impressões digitais nos vidros, uma lástima… Mas a lataria estava limpa e isso é o que importa, pois é o que os outros veem, a limpeza interior pode esperar mais um pouco…

O carro, no momento em que estamos dirigindo, é uma extensão do nosso corpo, pois qualquer veículo motor perde sua motricidade se não houver uma vida humana orientando seus movimentos. Por sua vez, o automóvel é também uma extensão de nossa vida… Se ficarmos esperando um vale-ducha para começar a limpeza, estaremos remetendo esta responsabilidade para outrem… E pior, enquanto fazemos uso só da lavagem de aparência, jamais nos tornaremos pessoas realmente limpas. Aos olhos dos outros, um brilho falso que acompanha a maioria das autoridades eleitas por nós… Por dentro, no entanto, a coisa é diferente: sujeira em cima de sujeira, afinal ninguém verá se não estiver no interior do veículo, e quem estiver lá, tem uma grande chance de fazer parte da mesma sujeira perfeitamente camuflada depois de uma ducha caprichada…

Nos carros e na vida, nem sempre o que vemos é a essência… Nem sempre as imagens revelam o que existe no interior.. Enquanto assim for, continuaremos iludindo e sendo iludidos pela ducha do sistema…

Márcio Roberto Goes

www.cacador.net

www.portalcacador.com.br

Jornal Folha da Cidade – Caçador, SC

Um Comentário

  1. alisson
    alisson 22 de fevereiro de 2011

    agora é tipo um palito de dente mesmo…hhahahahahaa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *