Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Extraoficiais

 

Ninguém sabe. Ninguém viu. Ninguém presenciou. Ninguém falou por falar…

Por que então a fofoca se espalhou? Por que a difamação se alastrou? Por que as informações extraoficiais tiveram destaque infinitamente maior que as oficiais?

Cada um com uma pedra na mão, pronto para atirar… E atiraram… Esqueceram-se da frase do mestre: “Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”… Acertaram o alvo… Perceberam as consequências da mira certeira e se arrependeram… Também eram pecadores, mas estavam na onda da condenação. Afinal, pisar em quem já está no chão é muito mais fácil e cômodo, além de fazer o pisador se sentir superior…

Mas o mundo não para. Ele gira rapidamente e os papéis podem se inverter. A mesma mão que atira a pedra hoje, amanhã pode se estender para pedir ajuda a fim de se livrar das pedradas da vida… Quem está no grupo dos apedrejadores agora, no futuro poderá ser o alvo…

E os boatos se espalham, a fama aumenta, uma grande porcentagem acredita no extraoficial, atira pedra também e manda para frente, esperando que mais gente apedreje e emende mais uma informação à bola de neve que desce a montanha… A bola, por sua vez, vai ganhando tamanho, velocidade e onde passa, vai arrastando tudo o que encontra. É aí que os atiradores de pedra recebem sua recompensa, pois a bola que desce a montanha devolve muitas das pedras à plateia. “Eu não tenho nada com isso”, diz alguém que há pouco atirou uma pedra… “Nem o conheço”, justifica outra testemunha ocular… “Eu vi. Foi bem assim”, fala alguém que não estava presente ao fato… E o galo canta, profetizando a condenação da língua humana…

O fato… Os olhares… Os comentários… O julgamento alheio… Os boatos… Mais boatos… Outros boatos… Milhares de boatos… O que aconteceu de verdade?… Ninguém sabe!… Ficaram presos às fofocas e esqueceram a essência…

O que aconteceu? Foi assim. Foi assado… Não foi… Fez… Não fez… Quis… Não quis… Todos têm uma informação nova. Uma nova acusação. Ouvem pela metade e completam a seu gosto…

O que mesmo aconteceu?… Ninguém sabe… Ninguém viu… Poucos ouviram… Poucos escutaram… Mas todos falaram… Todos julgaram…

Meu psiquiatra me perdoe. Mas quem mesmo tem transtorno? O fofocado, ou o fofoqueiro?…
Márcio Roberto Goes

www.marciogoes.com.br

www.portalcacador.com.br

www.cacador.net

www.portalcdr.com.br

Seja o/a primeiro/a a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *