Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Enchendo Lingüiça

Querem calar nossa voz

Não sei se foi por acaso que você começou a ler estas linhas. Só sei que nada é por acaso: Nem as vitórias, nem as derrotas, nem os governos (que por acaso foram eleitos por nós), nem os marginalizados, nem a tirania, nem a troca repentina do secretário de educação do município, nem o aquecimento global, nem a vida, nem a morte… Nem mesmo estas linhas, que por acaso (ou não) você começou a ler… Tudo tem uma razão de ser: nada pode ser mera coincidência ou simples obra do destino… (destino?)… A meu ver, a única coisa que não tem razão de ser é um cronista desperdiçar um parágrafo inteiro “enchendo lingüiça”, como acabei de fazer… Apesar de ter muita gente que gosta…

Bem! Vamos ao que realmente interessa: Estou muito triste com a qualidade da leitura do povo brasileiro. Eu mesmo venho recebendo algumas reclamações, visto que meus textos são muito longos na opinião de alguns “leitores”… Ora, ora! Escrevo o número de caracteres necessários para expressar minhas idéias dentro dos padrões exigidos pela redação do jornal, apesar de saber que provavelmente amanhã, alguns exemplares servirão de embrulho para bananas… Não acho que seja longo demais… Acho até que é menor que a “preguiça de ler”, presente em muitos seres homo sapiens. De qualquer forma, agradeço de coração por você ter acompanhado minhas palavras até o fim deste segundo parágrafo. Prometo que vou direto ao assunto no terceiro.

Acolhi e continuo acolhendo todas as críticas recebidas, afinal, não sou perfeito nem tenho a menor pretensão de ser. Apenas quero dar meu recado através das palavras e sei que isto é perfeitamente possível, pois vivemos num país que é exemplo de democracia em todo o mundo, apesar de ainda ser capitalista… Pena que nossa cidade parece não seguir o padrão nacional de democracia. Há poucos dias, recebi uma notícia que “foi de sartá os butiá do borso”: Um de meus colegas de imprensa está sendo processado por denegrir a imagem do chefe do executivo municipal. A meu ver, trata-se de uma arbitrariedade desumana nos padrões “podres” da ditadura militar.

Sei que meu amigo não expressou nada mais que a verdade, o que me leva a crer que os denegridos denegriram-se a si mesmos (perdoem meu pleonasmo proposital) e agora tentam culpar a imprensa pelos seus desafetos das promessas não cumpridas em virtude da retribuição dos favores prometidos aos “mais chegados”… E os clamores do povo que elegeu essa gente?… Onde fica?… Certamente no fundo da gaveta, que sempre é aberta em ano de eleição.

Então caro leitor… Enchi muita lingüiça?… Mesmo que sua resposta seja afirmativa, parece que eu não sou o único por aqui que tem o costume de enrolar o povo.

Márcio Roberto Goes
Enrolado, mas sincero…

Um Comentário

  1. Valquiria
    Valquiria 20 de março de 2009

    Oi professor …dando uma espiadinha no seu blog…muito legal viu!!!
    bjOo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *