Press "Enter" to skip to content

Ao mestre, com carinho…

 

 Durante nossas vidas, muitas pessoas marcam profundamente e nos ajudam até a construir nossa personalidade… Além do mais, precisamos dos outros para nos completar e os outros necessitam de nós para completarem-se.
 Neste contexto, comigo não seria diferente: Tive muitas pessoas marcantes na minha vida, seja de forma positiva ou negativa, mas gostaria de ressaltar a extrema importância que tiveram, e continuam tendo meus mestres, na construção de minhas vitórias, já que estamos próximos do dia dos professores. Peço licença aos inúmeros educadores que fizeram parte da minha vida, para homenagear um deles. Sei que todos os meus mestres permanecem em minhas atitudes e em minha personalidade, afinal eles me ensinaram e acreditaram neste “oreia seca” que devagar está conquistando seu espaço na sociedade… Mas um deles é o primeiro e principal responsável por hoje eu estar escrevendo estas palavras que agora você lê no jornal impresso, ou pela Internet.
 Certo dia, quando ainda cursava Letras na Universidade do Contestado, fui corajosamente desafiado, juntamente com o restante da turma, para produzir uma crônica, com data e hora marcados para a entrega: trabalho solicitado pelo professor de Teoria da Literatura, Nilton Preveda… Os dias passavam rápido e nada de eu ter uma idéia criativa o suficiente para a tal crônica, parece que tudo o que acontecia no Brasil e no mundo não me dava a devida inspiração.
 Quando de repente, em sala de aula, presencio um fato corriqueiro, mas que no momento mereceu um texto, fazendo valer a característica da crônica enquanto obra literária: “Aproveitar o momento para fazer graça e reflexão”… Bingo!… Na hora mesmo, puxei da caneta e “descasquei”…. O resto da aula nem ouvi, só sei que ao terminar meu rascunho, mostrei para meu mestre que parou a aula para fazer uma leitura em voz alta… Nossa!… Me senti uma criança de quarta série que tem seus versinhos lidos pela professora para a sala inteira…
 Talvez, meu mestre não saiba, mas aquele foi o pontapé inicial para muitos outros textos que ficariam algum tempo engavetados até que eu pudesse publicá-los, isso porque ele, que também cursou sofrivelmente uma faculdade como eu, acreditou nos meus rabiscos e regou esta semente.
 Sei que tenho muito que aprender, mas jamais me esquecerei daqueles professores que sempre acreditaram que um dia eu seria um deles, sobretudo o Nilton, mesmo não sendo mais meu professor, é um grande incentivador da minha modesta obra, além de ser meu espelho profissional.
 A você, Nilton Preveda, meus mais sinceros agradecimentos por todas as exigências à minha pessoa, que só me fizeram crescer profissionalmente, e onde quer que eu vá, lembrar-me-ei do teu exemplo e das tuas orientações. Desta forma estendo a todos os mestres que creram nas minhas fortalezas, a minha singela homenagem. Obrigado por ajudarem a me apaixonar pela educação!

 

 

Márcio Roberto Goes
Professor, com muito orgulho

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *