Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Amigo fiel

Sempre digo aos meus alunos que o ser humano escreve melhor quando o faz com o coração… Sou um ser humano, também tenho sentimentos, o único diferencial é que escrevo o que sinto com maior frequência. As palavras a seguir, apesar de muita zombaria por parte de alguns seres humanos ao meu redor, relatam o que meu coração está sentindo. E como escritor, sinto-me na obrigação de extrapolar com o teclado e a arte de usar as palavras…

Um dos meus melhores amigos morreu esta semana, um filho adotivo, companheiro de todas as horas, ficava feliz com minha chegada e triste com minha despedida, cuidava de mim e eu cuidava dele. Era herança de minha mãe que o encheu de bardas e mimos, mantidos por mim…

Com ele, não tinha tempo ruim, sempre prestativo e despretensioso, tinha trânsito livre em minha casa, sentava à mesa comigo, dormia em meu quarto… Demorarei a acostumar com sua ausência a cada vez que retorno ao lar. Não verei mais aqueles olhos brilhando, o latido característico em homenagem à minha chegada, a cauda abanando expressando a alegria mais pura e sincera…

Bilu da silva Goes

 

Mas tudo acaba um dia, como escreveu e cantou Raul Seixas: “Oh morte, que matas o gato, o rato e o homem”… Meu amigo não resistiu a esta vilã de dois gumes agravada pelo peso da idade, afinal, um cão que completa catorze anos já é um vencedor sobrevivente. Há meses já se encontrava debilitado e, nos últimos dias, tetraplégico, ainda expressava seus sentimentos através daquele olhar mais humano do que o de muita gente que se diz racional e civilizada…

Cresci aprendendo a gostar de cães, sempre os tive por perto. Nunca comprei nenhum, pois não acredito que se possa pôr valores materiais em vidas quase humanas. Sempre os ganhei, ou adotei, vira-latas, ou sem raça definida… Aliás, não sei quem foi o mercenário que resolveu estipular valores diferentes para animais semelhantes, não sei quem inventou que uma raça é mais valiosa que outra, tampouco sei quem teve a ideia de dizer que o valor de uma vida é maior que o de outra só por causa de peculiaridades, comuns a qualquer ser vivo… Os seres humanos julgam-se melhores uns que os outros, é natural que classifiquem os animais indefesos da mesma forma: Natural, porém cruel…

Meu amigo Bilú não tem preço, não paguei nada por ele, mas enriqueceu minha vida de forma inesquecível, no que diz respeito ao crescimento pessoal e ao relacionamento humano… Incrível, mas um animal quadrúpede, que só sabe falar duas vogais, é capaz de nos ensinar mais do que muitos seres que se dizem humanos…

Meu amigo, filho adotivo, meu cão de guarda, motivo de muitas alegrias, agora me fez chorar. Um choro, todavia conformado, pois ele cumpriu seu papel neste mundo, foi feliz e me fez feliz, amou e foi amado… Viveu, como todo cão de estimação, para fazer a alegria de seu dono. Continuará, como todo animal de família, num cantinho especial do meu coração e no espaço dedicado especialmente a ele nas minhas memórias…

Não quero meu cãozinho de volta. Ele já cumpriu seu papel como todos os seres vivos cumprem o ciclo natural da vida, porém, jamais renunciarei às lembranças e aos sentimentos que ele me proporcionou…

Bilú, meu cão, meu amigo… Jamais o esquecerei, jamais serei o mesmo, pois um amigo fiel, ainda que irracional, tem o poder dado a ele pelo Criador, de transformar a vida daqueles que o cercam… Há catorze anos, minha vida tem sido melhor, entre outros, por causa de um cachorro. Tenho outro cãozinho de estimação, com certeza, terei outros ainda, porém esta criaturinha cresceu comigo, envelheceu, morreu, mas está eternizada em meu coração…

23/06/2010

4 Comments

  1. joselha
    joselha 2 de julho de 2010

    Fico triste pelo acontecido, pois também tenho três filhas adotivas desta especie e digo que o amor deles é incondicional e verdadeiro. lamento muito o que aconteceu com ele.
    até +
    joselha

  2. suelen alves
    suelen alves 26 de junho de 2010

    Tenho certeza que o Bilú foi muito feliz em vida, porque tinha um dono como você maravilhoso, carinhoso e que sempre se importava com ele.E que também o considerava como um membro da família. Não fique triste você fez um papel magnifico e exemplar

    • Márcio Goes
      Márcio Goes 29 de junho de 2010

      Obrigado pelas bonitas palavras, minha ternura…
      Só quem tem um animalzinho de estimação e o ama é que sabe o que isso significa…

  3. Aline Driessen
    Aline Driessen 26 de junho de 2010

    Olá Márcio!
    Li sua crítica hj no cacador.net e chorei. Sinceramente… desabei, chorei mto… Tbm tenho 3 cachorros. O primeiro ganhamos qdo ele ainda era uma bolinha de pêlo. Um Border Collie que tbm se chama Bilú e hj tem 12 anos, qdo penso nisso me dói o coração, sei q a vida dele não será mais tão longa. Por enqto agradeço por ele estar bem apesar de já estar começando a peder a visão e a audição aos pouquinhos. O outro, ainda filhote e sem raça definida estava à venda numa agropecuária em condições indescritíveis. O preço de sua liberdade custou R$ 40,00. Hj ele tem 4 anos e se chama Snoopy, praticamente o neném da casa. Em fevereiro deste ano apareceu lá em casa uma cadelinha linda, estava perdida, magrinha, com fome e mto carente. Ficamos com ela pensando em achar um novo lar, mas ela acabou ficando, ficando e agora vai ficar p/ sempre. Ela nos adotou! Só nós que temos um animalzinho assim sabe quão enorme é o seu amor capaz de nos amar incondicionalmente, ensinar e nos tornar melhores a cada dia. Aprontam, rasgam, furam, fazem buraco, xixi onde não devem, mas não existe valor e recompensa maior do que seus olhares, seus latidos, ver seus rabos abanando e pulos animados, seus carinhos e mãnhas…
    Com certeza o seu Bilú foi mto amado e amou tbm. Que o sentimento bom que ele ensinou e transmitiu permaneça sempre em seu lar, em sua família.
    Um abraço.
    Aline

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *