Press "Enter" to skip to content

Mês: fevereiro 2017

A vida é massa!

a vida e massa

 

Quando se tem o propósito de aprender um pouco de tudo e fazer o que for possível por conta própria, sempre estaremos passíveis de erros, porém o aprendizado justifica o esforço e se torna um troféu em nossas vidas…

Avental e touca. Duas xícaras de farinha de trigo, duas colheres de açúcar, meia colher de sal, uma colher de banha, margarina, ou manteiga, água e fermento biológico: tudo multiplicado por três, já que desejo fazer três pães. Mistura tudo com a mão até formar uma massa homogênea, deixa descansar numa bacia coberta por um pano de prato limpo envolta em uma sacola plástica… Meus cães na janela, acompanhando, com o rabo do olho, todo o processo com aquela cara de quem diz: “Não importa o que esteja preparando, nós queremos comer…”

Roupa de sujar: calça jeans velha, sapatão, um jaleco surrado, Um pouco de argamassa num balde velho, água. Mistura tudo com a colher de pedreiro até formar uma massa homogênea e deixa descansar por vinte minutos, segundo instruções do fabricante… Aliás, não sei qual a razão das massas cansarem tanto se quem faz todo o esforço sou eu… Meus amigos peludos ao redor acompanhando tudo e este pedreiro amador que vos escreve, parando o trabalho de vez em quando para dar a eles o carinho que todo amigo merece…

De volta à cozinha, avental, touca, mãos limpas. Divido a massa em três, cilindro ligado e a massa passando quantas vezes forem necessárias para que fique lisinha, duas formas untadas que recebem um rolinho cada uma. Por um instante paro para ver o milagre da mistura que já começa a tomar forma e levo os dois pães ao pequeno forno, pois é tudo o que cabe lá… Mas e o terceiro pão?… Ah! Esse vai se dividir em vários bolinhos fritos imediatamente após sair do cilindro…

Uma pausa para o café com bolinhos frescos, enquanto uma massa cresce nas formas e a outra descansa no balde, ouço latidos famintos, vejo pela janela, duas caldas abanando e me dizendo: “Ói nóis aqui com fome!”… Claro que reparto minha guloseima com o Simba e a Nala, afinal, amigo é pra essas coisas…

De barriga cheia e a roupa de sujar, novamente neste corpinho, volto para a argamassa que já deve estar descansada o suficiente para voltar ao trabalho, acompanhado de meus amigos de quatro patas. Parede e peça de cerâmica umedecidas, colher de pedreiro na massa que se desloca, aos poucos para a cerâmica, desempenadeira para espalhar e, enfim a peça é grudada na parede com umas leves batidas da marreta de borracha… Conferido nível e prumo, repete-se a sequência em cada uma das peças que, uma a uma vão dando cor e vida ao novo banheiro… Por um instante, meu coração se rejubila ao ver o resultado muito mais vagaroso que de um profissional, porém satisfatório…

Quase uma dezena de degraus acima, na velha casa de madeira que, em breve será desmanchada, é hora de ligar o forno, mas antes, outra parada para observar o quanto a massa cresceu durante o assentamento das cerâmicas…

E assim termina a tarde de sábado: dois pães fresquinhos e uma parede pronta… Tudo isso, graças ao milagre das misturas químicas que transformam a realidade ao nosso redor…

Um marceneiro, pedreiro, carpinteiro amador, sempre se alegra festivamente a cada centímetro construído com suas próprias mãos… Da mesma forma que um padeiro, destes que aprendeu a receita do pão caseiro com sua finada mãe, mesmo sem nunca perguntá-la, se alegra com cada milímetro de crescimento da massa…

Ser mestre de obras de si mesmo, ou ser um cozinheiro para consumo próprio é algo que me faz pensar e concluir que, apesar de tudo, a vida é massa!

Márcio Roberto Goes

www.marciogoes.com.br

www.radioativacacador.com.br

Leave a Comment