Press "Enter" to skip to content

Mês: abril 2007

PARA OLHO GORDO, CLORETO DE SÓDIO


PUBLICADO EM 2005

JORNAL INFORME – CAÇADOR – SC

Outro dia, resolvi fazer algo incomum na vida de um homem: acompanhei minha namorada ao salão de beleza… Chegamos à hora marcada, ela era a próxima, fez unhas decoradas das mãos e dos pés, trabalho que demora um pouco, o suficiente para ouvir a conversa entre algumas mulheres que estavam à espera de sua vez, folhando revistas de moda e falando dos artistas de novela, da vizinhança e de suas próprias vidas: um verdadeiro divã.



Sei que minha presença causou um certo desconforto entre elas, pude perceber pelos olhares e pelo cuidado em não entrar em nenhum assunto propriamente feminino. Quando resvalavam na conversa, logo disfarçavam ou pediam desculpas. Confesso que também senti um certo desconforto naquele local, mas sair dali, àquelas alturas, seria, no mínimo, deselegante… E mesmo que não fosse, que desculpa teria um homem para sair porta afora do salão de beleza enquanto as unhas de sua namorada eram talentosamente decoradas pelas mãos hábeis da manicura? O que a moça pensaria deste ato, já que o combinado era o namorado esperá-la?



Contive meus impulsos de fugir e fiquei, meio sem jeito, por ali mesmo… Neste pouco tempo, baseado na conversa entre duas mulheres, descobri o quanto o ser humano é inseguro. Uma delas reclama que anda com uma onda de azar, nada dá certo, seu relacionamento conjugal não anda nada bem e acha que é olho gordo; a outra lhe dá uma receita infalível: basta pôr um copo com sal grosso atrás da porta e o olho gordo some dali.



Mas afinal, o que é o tal do olho gordo? Será que também existe olho sedentário, com estrias, celulite, diabético?… Meu Deus! Alguma coisa precisa ser feita urgentemente para livrar a humanidade das terríveis doenças do olho, ou melhor, já existe a solução: Um copo com sal grosso atrás da porta… Será que o sal grosso é diet? Dizem que é infalível.



O ser humano, que domina a Terra, criado à imagem e semelhança de Deus, pensante, inteligente, maravilhoso…, rende-se ao poder curador e eficiente do sal grosso. A partir desse dia passei a ser fã de carteirinha do cloreto de sódio grosso, corro atrás dele, seja qual for o obstáculo, como Macunaíma, na obra de Mário de Andrade, atrás do muiraquitâ, afinal, o NaCl não só dá sabor ao churrasco e outros alimentos, mas cura olho gordo e outras doenças da alma, como inveja e insegurança, aliás, para esta existem vários remédios: Duende, panela de dinheiro (de mentirinha, é claro), pedra da sorte, trevo de quatro folhas (que na minha opinião, se é de quatro folhas, deveria chamar-se quarteto), elefante de gesso dando as costas para a porta em cima de uma moeda de um real, figa, ferradura em baixo ou atrás da porta principal, dente de alho no bolso e o destemido, eficaz, e infalível pé de coelho. Penso que o coelho é dos animais o mais sortudo, pois é um quadrúpede com quatro pés de coelho. Ninguém tem mais pé de coelho do que o próprio coelho. Então, por que ele perdeu o pé que virou chaveiro? Falta de sorte, talvez. Mas o pé de coelho dá sorte! Ou, será que esta regra não vale para o dono do pé?



Porém, não bastam os remédios, é preciso precaução contra o medo e a insegurança de várias formas: Saia de um local sempre pela mesma porta que entrou, não deixe nenhum gato preto cruzar seu caminho (sem discriminação, mas dizem que dá azar), coma lentilhas no ano novo, de preferência com roupas brancas; jamais quebre espelhos (lembre-se: são sete anos de azar) e o mais importante: não passe por baixo de nenhuma escada.



Depois desse dia, reconheço que não existe lugar mais filosófico que um salão de beleza, pois foi lá que aprendi a não desperdiçar sal grosso no churrasco, ele é muito mais útil atrás da porta, só não descobri por quanto tempo ele deve ficar lá… mas, quem sabe, da próxima vez, para abastecer meu pensamento, além de acompanhar minha namorada, aproveite para decorar também minhas unhas com o desenho de uma pirâmide: a pirâmide da sorte, então, terei a resposta que procuro.



E, se eu quebrar a unha? Quebrarei também a pirâmide e minha sorte, porém terei mais tempo no salão de beleza, para aprender novas receitas infalíveis com ou sem cloreto de sódio.



Márcio Roberto Goes

Salgado, mas sortudo.

Leave a Comment

FELIZ ANIVERSÁRIO


25/04/2007
CAÇADOR ONLINE
28/04/2007
JORNAL INFORME

Os diletos e amados leitores devem se recordar de algumas publicações minhas no ano passado falando de um personagem vilão perigosíssimo, frio e desumano: trata-se de um predador urbano, chamado Buracossaulo-rex: o mais terrível vilão urbano de todos os tempos, que ataca de surpresa, sem dó nem piedade, qualquer veículo automotivo que se aproxime, danificando pneus e suspensões, além de virar o pé de todo pedestre que ouse aproximar-se distraído sem aviso prévio, principalmente em dias de chuva, quando nosso antagonista é camuflado pela enxurrada.

Pois bem… dia desses, ao folhear o Informe, encontro notícias de um de nossos amiguinhos craterácios que firmou residência no bairro Berger, cresceu e multiplicou-se como coelhos… Participava de uma festa… Mas não era qualquer festa… Era a festa de seu aniversário de um aninho! … Ai que bonitinho!!!… Quase chorei!.. (de tanto rir…)… É uma emoção inenarrável, uma experiência ímpar… Uma comemoração digna de fazer parte da coluna da Anne, com direito a fotos de celebridades presentes e tudo…
Visitando o site Caçador online, vislumbrei as imagens do evento: Meu Deus, que coisa linda!… Toda uma população comemorando o aniversário de um amigo íntimo que não sai do pé (e dos pneus) de seus habitantes. Toda uma comunidade mobilizada para celebrar o descaso, com bom humor, acreditando “nas flores em vez do canhão”… Há! Se Geraldo Vandré estivesse presente, certamente iria cantar com emoção sua canção mais famosa e revolucionária em homenagem ao buracossaulo mais querido do “Bergão”… E o melhor de tudo é que nosso amiguinho medindo quase meio metro de profundidade e cerca de cinco de comprimento, foi aclamado com “Parabéns a você”, bolo, suco, nariz de palhaço (bem sugestivo, inclusive) e tudo mais que qualquer festa de aniversário tem direito, afinal, esse buraco de rua tornou-se patrimônio, segundo o presidente da associação do bairro.
Depois da chegada deste predador, a rua Manoel de Souza Santos, nunca mais foi a mesma… Tornou-se altamente surpreendente: os carros e os pedestres que passam por lá diariamente, sempre levam uma lembrancinha desagradável (inclusive para o bolso): Uma torção, um para-choques, um pneu ou um amortecedor que devem ser substituídos antes do vencimento… tudo isso contabilizou para a importância do evento. Afinal, há um ano que esta criaturinha miserável, desagradável e antipática reside naquela curva, portanto, é uma data que deve ser comemorada com uma festa para ficar na história… E parece que ficou!…
Só me senti muito magoado por não estar na lista de convidados… Bem!… Pensando melhor, não tenho o privilégio de morar nas redondezas, por isso furto-me do direito de comparecer, afinal, a festa, pelo que me consta era só para os íntimos (ou vítimas) do buraco. Além do mais, nem as autoridades foram convidadas, imagina um “oreia ceca” como eu!
De qualquer forma, queridinho Buraco , aceite, mesmo atrasado os meus parabéns e o desejo de uma vida muito curta!… Tenho esperança de, em breve participar da sua missa de sétimo dia, e lembrar saudosamente do buraquinho marcante que foste na vida dos cidadãos daquele bairro. Sei que deixaste muitos descendentes espalhados por toda a periferia da cidade, e a estes, também desejo a mesmíssima sorte!

Márcio Roberto Goes

Felicitações!!!
Leave a Comment

Sandálias da Humildade


11/04/2007
CAÇADOR ONLINE
14/04/2007
JORNAL INFORME

Paixão – este é, sem dúvida o maior sentimento que faz alguém escolher o magistério como profissão… Se não houver paixão, o melhor mesmo é imprimir um currículo, colocar debaixo do braço e procurar emprego em outra área que melhor lhe identifique, pois na verdade, o que move um professor é o amor pelo que faz… Não é salário, condições de trabalho, ou instabilidade… Se a gente não gosta do que faz, se machuca todo dia e a vida torna-se uma tortura em tempo integral, contando as horas para acabar o turno, para se livrar de determinada turma… contando os dias para as férias, os anos para a aposentadoria… Ou seja, a escola que deveria educar, simplesmente “deseduca”, quando torna-se um local repleto de pessoas mal resolvidas, deixando fluir um ambiente desagradável para os profissionais da educação e sobretudo para os alunos.
Foi em cima deste aspecto que o Professor Mestre Mário Bandiera proferiu sua palestra na primeira etapa do curso de capacitação oferecido aos professores das escolas Wanda Krieger Gomes, Maria Luiza Barbosa, Esperança e Ulysses Guimarães na última segunda-feira (16/04), celebrando assim a união das redes estaduais e municipais de ensino do bairro Martello. O admirável evento: uma iniciativa inédita da equipe pedagógica da escola Wanda Krieger Gomes, só não foi melhor em virtude da ausência dos professores de uma das escolas municipais convidadas: Bem que havia vontade e disponibilidade o suficiente por parte dos educadores, mas por parte dos gestores (certamente mal resolvidos), nem tanto, que barraram o evento para os funcionários daquela escola, levando em conta uma concorrência medíocre, fétida e desnecessária na educação pública de Caçador.
Agora eu sei porque dizem que a educação pública “vai mal”: não são professores nem alunos os piores comparados às instituições particulares, mas sim o próprio sistema, que usa de critérios político-partidários para a escolha dos gestores, que não têm, obrigatoriamente compromisso com a escola, mas com as siglas… Enquanto se discute quem roubou aluno de quem, os alunos buscam simplesmente o direito à educação de qualidade e ao livre arbítrio para escolher o educandário que julgar melhor…
Por favor, colegas!… Eu suplico: vamos trabalhar por uma educação melhor e unir forças a exemplo destas quatro escolas que realizaram este evento em conjunto, mostrando união, cidadania e acima de tudo, amor pela educação… Vamos dar as mãos e juntos dar uma “tapa” nas estatísticas que insistem em dizer que a escola pública não tem qualidade… Já não basta a situação precária de nossas escolas na parte física! Agora, vamos destruir a moral também?… Certamente tem alunos o suficiente para todas as escolas do “Martellão”, que estão sedentos de conhecimento… Que exemplo de relacionamento estamos dando a estes pequenos gênios? Como esperamos que eles respondam a estes fatos? Com que moral cobraremos de nossos alunos a ética e a cidadania? Estamos educando ou deseducando?
Não sou perfeito, tenho muito a aprender com meus colegas, mas gostaria de arrematar meu “protesto”, com dois pensamentos por mim anotados durante a palestra, que vêm a calhar neste momento:
Um deles, faz uma breve referência ao “mito da caverna” de Platão: “O professor deve ser humilde e libertar-se de sua caverna”, olhar para trás e perceber que a vida não é só as sombras de seu mundinho medíocre e egoísta… a educação vai além dos muros da escola ou das “faixas de Gaza” da política partidária.
Por fim, o outro é um ditado indígena norte-americano (ou estadosunidense, melhor dizendo): “Antes de julgar outro índio, calce as sandálias dele por sete luas”.
Márcio Roberto Goes
Descalço e ainda desarmado
Leave a Comment

O AMOR É CEGO


Dizem que o amor é cego… Pois deve ser o meu amor pela educação que não me deixa ver tanto vandalismo e depredação na Escola de Educação Básica Wanda Krieger Gomes, onde leciono quarenta horas semanais, pelo menos não com a intensidade e a freqüência que se comenta diariamente.
Até agora não precisei de escolta policial, nem colete à prova de bala para trabalhar. Não recebi nenhum tipo de ameaça nem fui agredido… Alguns episódios, como danos a automóveis e desrespeito a professores acontecem, naquele educandário, com a mesma periodicidade que em qualquer outra escola pública de Caçador, ou seja, são fatos comuns que podem ser resolvidos via direção e funcionários e os mais graves são levados para as autoridades competentes, basta observar o grande número de boletins de ocorrência registrados por diretores de escola. Sei disso, porque estive por dois anos muito perto da administração de uma delas. Estes fatos são tão comuns que acontecem até em escolas no centro de Caçador e nem por isso são motivos de comentários (mal)falados de pessoas que ainda não se deram ao luxo de constatar in loco o que acontece, realmente dentro de uma escola.
Não vejo tanta barbaridade assim naquela escola… Ah!… Já havia me esquecido. Estou cego de amor pela educação, jamais poderia ver defeitos no ser amado, porém vejo muitas coisas que os cegos de ódio jamais conseguiriam, em hipótese alguma, ver:
Vejo uma escola nova e moderna, com pouco mais de um ano de funcionamento, muita erosão na entrada do estacionamento, um muro caindo por causa do aterro (eu acho…) e algumas salas de aula já sem porta (aliás, há muito tempo se promete resolver o problema das portas e tudo o que se viu até agora, foram duas pessoas medindo os “buracos”… Poxa vida!… O tamanho do buraco nós já sabemos, só queremos tampá-lo antes que chegue o inverno), que apesar de ainda não estar completamente estruturada (mas já era tempo de estar), atende, na medida do possível e do impossível, uma comunidade que por muito tempo ficou esquecida pelas autoridades, trata-se do maior bairro de Caçador, e o maior portador de necessidades especiais em se tratando de dignidade e cidadania.
Vejo a polícia militar empenhada em manter a tranqüilidade dentro e fora da escola, e atendendo prontamente as emergências…
Vejo uma direção que se empenha em ajudar e resolver os mais complexos problemas de aprendizado e relacionamento comuns em qualquer escola de educação básica…
Vejo alunos que saem de casa com materiais à mão, e na mente, muita sede de conhecimento, que a escola está, mesmo aos trancos e barrancos, conseguindo saciar…
Vejo professores que não recebem vale-transporte, se deslocando, sabe Deus com que dificuldades, de um lado a outro da cidade para cumprir seu dever, trabalhando em uma escola que começou da estaca zero e evolui pedagogicamente a olhos vistos, diariamente, graças ao trabalho incansável de sua equipe sempre unida no objetivo de levar educação de qualidade àquela comunidade, mesmo sem a estrutura prometida, esperada e merecida,…
No passado, já vi a Escola de Educação Básica Wanda Krieger Gomes, em cinco salas emprestadas de outra escola pública, que apesar de muitos esforços não conseguia oferecer a estrutura de que necessitava… Hoje alguns enxergam destruição e depredação no novo prédio… Minha cegueira de amor, porém, ainda permite ver uma equipe empenhada na partilha e na construção do maior tesouro da humanidade: o conhecimento. Outros podem ver Vanda-lismo, eu vejo só Wanda… Outros podem ver destruição, eu vejo só amor pela educação… Mas o amor é cego… graças a Deus!
Márcio Roberto Goes
Cego de amor!
1 Comment

TALENTOS DA ESCOLA – Edson Luiz Meireles Pereira


O AQUECIMENTO GLOBAL E A FALTA D’ÁGUA

Nosso planeta é composto mais por água do que terra. No mundo inteiro, 97% é água salgada, só 3% é água doce e 1% é água pura que dá para beber, lavar roupa, tomar banho, cozinhar, dar banho nos animais… E no Brasil, tem a maior reserva de água doce potável do mundo: o aquífero Guaraní, uma das mais importantes minas de água doce do mundo, que abrange 69% do território brasileiro.
Mas essa realidade está pouco a pouco se acabando com o aquecimento global, as calotas polares estão se desprendendo, aumentando o nível dos oceanos, fazendo com que a superfície terrestre se afunde, isto é, daqui a cinqüenta anos o litoral estará submerso.
A Terra está se aquecendo e ficando como Marte e Mercúrio: seca e sem vida, não haverá mais água, plantas ou animais. A água ficará escassa e nós iremos morrer, pois sem água não há vida.
A água é fonte de combustível da vida. Cuidem do nosso planeta!… Ou sofreremos as conseqüências do aquecimento global e a falta de água.
O aquecimento global é a geração e a ação do homem com a poluição do ar, o desmatamento da Floresta Amazônica, a poluição dos rios e lagos, a exploração da Terra e a retirada de minérios do nosso planeta: fatores que estão destruindo nosso planeta e a humanidade.
EDSON LUIZ MEIRELES PEREIRA
7ª SÉRIE 01 MATUTINO – ENSINO FUNDAMENTAL
ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA
PROFESSORA WANDA KRIEGER GOMES

CAÇADOR – SC

Leave a Comment